Expando

Chamem-me prosa ou verso!

Chamem-me árcade, clássica, romântica, naturalista!

Chamem-me, Boca do Inferno!

Chamem-me, Machado!

Chamem-me, Vinícius!

Chamem-me, Chico!

Chamem-me, Tom!

Chamem-me metrada e rimada

Chamem-me livre

Chamem-me, eu vos clamo…

Anúncios

Soneto do Fenecimento

Quando no peito arde o aperto

Os rios corem no olhar

E cabe ao tempo a função do abatimento do desalento

A vida parece esmorecer, esvair, acabar

A dor transforma-se em magoa, tristezas, arrependimentos

Embaraça os sentidos, forças e vontades.

Não só os sentimentos                          

Estende-se, agora domina, cada minuto é uma eternidade 

Depois de tudo, pensamentos ao ar,

Vem a calmaria decaindo sobre tudo que parecia sólido

Ao gosto do destino, o mundo de ambos volta a girar

Mensagem à mais bela

Amo-te, de tudo, como é mais intenso

Do mais fundo, profundo e intrínseco

Não da forma mais especial, ou outra forma conhecida

Mas de uma forma única

Como não ha palavras para descrever

E se ainda me restam forças  

Estas usaarei para que tua imagem,

Formosa, seja eterna em todas as suas formas

DESFILE-O

Na mesma avenida,

Passou um samba popular

Hoje passa um carnaval

De belas máscaras

Fantasias sobre trapos,

Trajes trapeados

 

Aqueles que se guardavam

Para marchinhas e danças

Hoje se perdem,

Em meio a desfiles

Deslumbrantes, de isopor

Reluzentes, de papel

 

Embalados pelo som

Tristão já não pertence a Isolda

Julieta já não pertence a Romeu

“A importância do conhecimento foi subjugada, a cultura da ignorância se instaurou com uma intensidade impressionante”

E aí, todos bem ?

São muitos os problemas enfrentados hoje em dia, porem o mais grave é o desinteresse. O desinteresse dos políticos faz com que os serviços públicos como segurança, educação, saúde e lazer, por exemplo, a cada dia se mostrem mais deteriorados e ineficazes. O desinteresse de todos faz com que em 2010 a Copa do Mundo tenha maior importância que as eleições, o que ainda há tempo para ser reparado. Porem o descaso de todos com toda essa situação talvez seja o que mereça maior destaque.

A importância do conhecimento foi subjugada, a cultura da ignorância se instaurou com uma intensidade impressionante. A criança que se destaca na escola por ter boas notas é motivo de chacotas e piadas, na maioria das vezes, vindo de outras crianças que não conseguem se quer alcançar a media necessária para passar para o ano seguinte. Falar sobre livros, política ou quais quer outros assuntos em alto nível de argumentação tornou-se quase uma ofensa e quando se consegue, deve ser feito as escuras. Mas qual é o problema em ter personalidade e inteligência para tomar partido sobre uma discussão e defender as próprias idéias sem passar por ofensas ou desrespeito?

A população brasileira é composta, cada dia mais, por “acéfalos funcionais”, ou seja, aqueles que tem cérebro, mas não sabem ou se recusam a usá-lo. É preciso, no mínimo, que se retome a tradição a qual se respeitava o mais inteligente e auxiliavam-se aqueles que buscavam conhecimento, feito isso a ignorância atual se autodestruiria sem maiores problemas em um grande efeito dominó.

“É comum ter mais de uma influencia na formação da personalidade de cada um, em grande parte devido à variedade de aspectos a se considerar”

E aí, como estão todos?

 Todos se espelham em uma ou mais pessoas para criar sua própria identidade e seu próprio caráter e por mais que muitos neguem e tentem afirmar que são 100% autênticos, atualmente isso é impossível. Alguns usam como referencial o pai, a mãe, os avós ou qualquer outro tipo de parente com o qual se tenha maior afeto e proximidade. Outros por sua vez buscam esse ideal em pessoas distantes: atores, cantores, apresentadores e outros tipos de artistas, sejam eles homens ou mulheres. Esses são os ídolos de cada pessoa.

É comum ter mais de uma influencia na formação da personalidade de cada um, em grande parte devido à variedade de aspectos a se considerar. Desde a ética e a moral até o time de futebol e a escola de samba que cada um escolhe para si tem uma parte da opinião alguns de seus ídolos. O que vem preocupando muitas pessoas, inclusive a mim, é o fato de algumas pessoas estarem criando referenciais onde não necessariamente eles existem. Por exemplo, qual é a base que um menino de 15/16 anos, americano pode dar a uma menina de 13 anos brasileira? Com essa idade nem mesmo ele tem seus conceitos firmados. Porem essa não é a situação que precisa de mais atenção.

É mais preocupante a situação dos que buscam idéias de fontes ruins ou inexistentes. Jovens que tomam por ídolos traficantes, criminosos ou marginais tendem a seguir aproximadamente as mesmas trilhas que essas pessoas e assim tomar rumos prejudiciais ao próprio futuro e à sociedade. Mesmo quando conseguem se desvencilhar de atividades ilegais os princípios formados anos atrás são carregados levando a ações que poderiam ser evitadas com melhores bases.  

“Há também, como conseqüência da falta de conteúdo, um enfraquecimento da musica brasileira “

E ai galera, todo mundo bem?

Atualmente surgem quase que diariamente um cantor ou cantora nova que são esquecidos tão rápido como ascendem. Porem alguns tem permanecido e mantendo seu estilo de musica. Em alguns casos isso não seria grande problema, porem a maioria dos artistas de hoje em dia são vazios de inteligência, cultura e habilidade poética e alguns dos que não o são fingem ser para alcançar fama e sucesso.

Compositores como Chico Buarque de Holanda, Vinicius de Moraes, Noel Rosa, Ismael Silva e Cazuza valorizavam suas produções com formas beirando a perfeição e conteúdos inteligentemente criados. Porem atualmente esse tipo de produção não consegue mais o sucesso que conseguia antigamente. Os jovens que movem o mercado musical estão cada vez mais distantes dos jovens intelectualmente ativos de 30 ou 40 anos atrás. Será que seriam capazes os jovens do ano de 2010 compreender as mensagens disfarçadamente colocadas em musicas na época da ditadura militar, artefato de fundamental importância para inflamar a população contra os ditadores da época e a retomada da democracia tão almejada.

Há também, como conseqüência da falta de conteúdo, um enfraquecimento da musica brasileira perante as musicas de artistas internacionais, ficando assim mais difícil para uma parcela considerável do publico o entendimento das letras das musicas, tornando assim mais grave o problema da ausência de conteúdo nas letras, pois a grande massa repete o que ouve sem nem saber o que se está cantando e por vezes sem nem mesmo saber a pronuncia das palavras utilizadas.

Ou seja, atualmente no Brasil, a musica que vem surgindo, salvo raras exceções parece não ter salvação. É preciso que uma nova geração surja com uma nova consciência, diferente da atual que como sugeriu Vinicius de Moraes, parece ser enlatada e vendida no mercado como um produto banal.  

Anúncios